Terça-feira, 31 de Janeiro de 2012

Justiça: Manifesto contra a lamentação.

No dia da abertura do novo ano judicial fica a sugestão de leitura de um livro sobre Justiça. Com Mundo.

--

”Este livro é um manifesto contra a lamentação”

 

 

 

Advogado e autor de “Mapa- Múndi da Justiça”, Rui Patrício escreve sobre os problemas da justiça e “sobretudo sobre os discursos dos problemas da justiça”.


Está habituado às câmaras. As luzes, essas, não lhe ofuscam o pensamento. Aqui, ali ou mesmo acolá, Rui Patrício, autor de "Mapa-Múndi da Justiça em bilhete-postal" diz sempre o que pensa. Mesmo que os outros não gostem (pelo menos é conhecido por isso).

 

Com 40 anos, este docente universitário e autor de vários livros e artigos nas áreas de direito penal e processual é hoje um dos advogados do momento. Isto porque adquiriu um grande mediatismo em três casos. Entre eles é advogado de José Penedos no caso "Face Oculta"; está ainda envolvido na "Operação Furacão" e ainda no processo do norte-americano naturalizado português George Wright. Uma roda que é viva tal como o mapa-múndi; e que é rígida ao ponto de Rui Patrício, que já foi membro do Conselho Superior da Magistratura, ser já apelidado de advogado de "barra".

 

Em entrevista (que pode ser vista na íntegra no programa "Ideias em Estante" no ETV), Rui Patrício fala sem tabus sobre a Justiça, sobre o mediatismo da advocacia, sobre o poder de poder dizer "Não", sobre os crimes económicos e sobre os desafios que a Justiça tem pela frente. Tudo isto tendo como linha-mestra uma conversa em torno do seu mais recente livro. Uma obra que une duas paixões: a justiça e as viagens.

Uma dupla que levou Patrício a procurar "através de um registo que concilia a crónica sobre a justiça e a crónica de viagem dizer alguma coisa sobre "os problemas da justiça e sobretudo sobre os discursos dos problemas da justiça".

 

É este um manifesto contra o queixume?

 

"É essencialmente um manifesto contra a lamentação. Não é um lamento. É um manifesto contra a lamentação e acontece essencialmente por três razões. Uma porque há um certo ambiente, de há uns anos a esta parte, de algum pessimismo, de alguma descrença relativamente às Instituições, e isso atingiu também a Justiça; em segundo lugar, porque é tradicional dos portugueses dizerem mal das suas coisas - dizerem mal de si mesmos. E em terceiro lugar, porque a Justiça se tornou um assunto mediático por excelência. Um assunto que é comentado, noticiado, escrutinado e discutido até ao limite; e sobre o qual toda a gente opina. Acho que a conjugação desses três factores faz com que se fale muito da justiça e normalmente se fale num tom negativo. E o facto de se falar sempre num tom negativo tem, a meu ver, um efeito negativo e eu quis, de alguma forma, reagir contra isso."

 

Como encara o facto de os advogados serem, muitas vezes, protagonistas dos casos?


Esse é um tema muito interessante e ao mesmo tempo muito delicado. Encaro, acima de tudo, como uma inevitabilidade. A deontologia profissional continua a impedir que, em regra, o advogado fale sobre os casos em que está envolvido. Eu acho que essa regra é na sua pureza uma regra boa. Mas, como em todas as regras, alguma coisa tem que ser adaptada à realidade. Hoje em dia é muito difícil, em certos casos, o advogado remeter-se ao silêncio. Sobretudo em defesa do seu constituinte. É muito bonito e certo afirmar que o advogado não deve falar. Mas perante as câmaras, à saída de uma sala de audiências, com perguntas que muitas vezes podem pôr em causa a reputação, o "bom nome", a realidade pessoal e familiar do cliente, é muito difícil não dizer alguma coisa. Eu até diria que, às vezes, é preciso dizer alguma coisa". Está dito. E o mundo semi-percorrido através de um bilhete-postal onde a tão desejada Justiça ocupa o lugar central.

 

 

 

publicado por livrosemanias às 17:29
link do post | comentar | favorito
|


Mais sobre mim
Sobre a Mafalda

More about me
About Mafalda

Agenda
Agenda

África, Ásia e Brasil
Quer ir para Angola?

Around the World

pesquisar

 

Maio 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

Homenagem ao Professor Ve...

Sócrates perde para Astér...

'Jogadas' com Blatter e o...

Ondjaki vence Prémio Lite...

Moçambique, Astérix, cris...

Biblioteca de Papel no CC...

Gomes Ferreira continua a...

MBA júnior, inteligência ...

Sócrates, Soares e Lula ...

" O meu programa de Gover...

arquivos

Maio 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

blogs SAPO

subscrever feeds