Segunda-feira, 2 de Julho de 2012

Será que as empresas nos manipulam?

Será que as empresas nos manipulam (mesmo)?

NUM MOMENTO EM QUE O PODER ESTÁ NAS MÃOS DO CONSUMIDOR, AS EMPRESAS FAZEM DE TUDO PARA LEVAR AO CONSUMO. É UM "BRANDWASHED" TOTAL.

 

 

Imagine que tem uns vizinhos novos. O casal, que tem três filhos, acaba de se mudar para o seu bairro, que é de classe alta. São todos bem parecidos, simpáticos e têm um ar saudável. São, numa palavra, "aspiracionais". Dia após dia, a aproximação começa. O seu filho já joga à bola com os novos vizinhos e até já troca opiniões sobre os dispositivos informáticos do momento. Entretanto, o leitor já frequenta a casa da nova família e começa a permutar, por exemplo, experiências e receitas. Prova a tarte feita com a massa A, o sumo da marca B, os ovos fritos na frigideira C, a alheira transmontana grelhada no novo aparelho sem fumos, de marca D, o baton vermelho de marca E, o verniz F e até o gel de banho Y. Começa o processo. Observa, escuta, testa. Está convencido e começa a consumir as mesmas marcas. Ou seja, foi influenciado por uns vizinhos e não por qualquer propaganda. Tornou-se consumidor através do fenómeno "boca a boca", a mais poderosa ferramenta de marketing que uma marca pode ter, segundo Martin Lindstrom, autor de BrandWashed, um livro que tem vindo a marcar os olhares sobre as marcas.

Conhecido por ser "o marketeer mais inovador e criativo do mundo", como o designa Steven Levitt, autor de "Freaknomics", Lindstrom mostra através desta sua última obra os truques de marketing que as empresas usam para manipular as nossas mentes. Mas não só. Prova também que o poder da imaginação não tem limites. Prova disso é a original pesquisa que desenvolveu para descobrir quem é o mais poderoso persuasor oculto? Será que são as empresas? Não. Somos nós. Como é que Lindstrom provou isso? Pesquisando através de câmaras. Ou seja, investindo num 'reality show' (estilo "A casa dos segredos"), que contou com os nomes sonantes da produção televisiva. Os actores: uma família real. Os Morgenson. Uma família que viveu uma vida de fantasia durante 30 dias. Um mês em que foram observados e filmados. Tudo isto a um custo de produção de 3 milhões de dólares. Muito dinheiro. E uma conclusão: "o mais poderoso persuasor oculto somos nós".

E agora se a moda pega?

Das duas uma. Ou começamos a ter cuidado com os novos vizinhos, que podem ser pagos por alguma marca para nos influeciarem; ou lemos este manual que nos pretende esclarecer sobre quais as tácticas de marketing usadas pelas empresas. Não acreditando tanto na primeira alternativa (aqui colocada em tom de brincadeira), resta-nos a leitura deste livro onde ficamos a saber que "as empresas começam a vender-nos coisas ainda no útero". Parece demais, mas segundo o autor não é. Tal como não é demais abrir os olhos para as fobias, para os medos, para as fragilidades, que são aproveitadas pelas marcas. Afinal, as marcas querem vender. Os clientes, comprar o melhor. Juntando a necessidade ao engenho multiplicam-se os casos de marketing em que o sentimento e as emoções são a palavra de ordem. Para quem tem dúvidas, lembre-se do polémico caso recente da Crioestaminal, em Portugal. Este caso não está abordado neste livro. Estão outros. Tantos que provam que quem "tapa feridas" vira curandeiro. Numa sociedade com falta de tempo em que o stress é amigo da culpa, há sempre, em qualquer esquina, um produto "milagroso", que nos retira a culpa e nos dá, nem que seja aparentemente, algum bem estar. Até por isso este livro é recomendável.

Os 'takes' que levam à compra. Ou não.

Se em "Super Size Me - 30 dias de fast food", Morgan Spurlock comeu hambúrgueres quase até à morte, hoje, bem de saúde, escreve de forma elogiosa o prefácio de "Brandwashed", livro que aparece como uma extensão natural do seu último filme "Pom Wonderful Presents: The Greatest Movie ever sold". Mas o que têm em comum estas duas obras (o livro, de Linstrom, e o filme, de Spurlock)? Tentam "despertar a consciência para o quanto somos sujeitos a marcas e até atacados por elas durante todos os segundos das nossas vidas". O autor de "Brandwashed", 'expert' em neuromarketing, não tem dúvidas de que nesta guerra tudo vale. Na tentativa de descobrir 'qual o mais poderoso persuasor oculto', chegou a uma conclusão:: Somos "nós", os consumidores que levamos os outros a consumirem.

(Publicado no DE, dia 29 de  Junho. Por Mafalda de Avelar in Ideias em Estante).

publicado por livrosemanias às 17:34
link do post | comentar | favorito
|


Mais sobre mim
Sobre a Mafalda

More about me
About Mafalda

Agenda
Agenda

África, Ásia e Brasil
Quer ir para Angola?

Around the World

pesquisar

 

Maio 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

Homenagem ao Professor Ve...

Sócrates perde para Astér...

'Jogadas' com Blatter e o...

Ondjaki vence Prémio Lite...

Moçambique, Astérix, cris...

Biblioteca de Papel no CC...

Gomes Ferreira continua a...

MBA júnior, inteligência ...

Sócrates, Soares e Lula ...

" O meu programa de Gover...

arquivos

Maio 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

blogs SAPO

subscrever feeds