Sexta-feira, 29 de Abril de 2011

E assim nasceu, em 1930, a Feira do Livro

 

Começou em 1930, ano de crise financeira. Em 2011, com cenário semelhante, a Feira do Livro reinventa-se para o futuro.

 

 

Estávamos em 1930,curiosamente um ano depois do primeiro grande crash financeiro do século XX e ano em que Salazar já era Ministro das Finanças. Era cedo. Tão cedo que a foto ainda não ganhava a luz do dia - aquela que iria invadir a Praça do Rossio de livros ainda a preto e branco mas já com a calor e o glamour do valor de um livro. Talvez por isso o palco escolhido para a realização da primeira Feira do Livro de Lisboa tenha sido o famoso largo do Rossio. Uma montra criada pelos lojistas da capital portuguesa,que reunidos através de um Grémio,organizaram o primeiro certame da mística capital da poesia de Fernando Pessoa. Do lugar sofredor do grande terramoto,do lugar impulsionador das descobertas marítimas globais,que estiveram para muitos autores na origem do conceito “ globalização”,que hoje leva e trás tantas obras,tantos autores,tanta ideologia ao mundo - e até nós.

Em escala mais micro,falamos da cidade das sete colinas que persistem em lembrar ao povo português que existem altos e baixos. Também eles na vida! Sempre a subir esteve no entanto o local ininterruptamente escolhido para a organização deste certame. Começando no Rossio esta Feira foi subindo sendo que passou a ser organizada na Av. da Liberdade antes de se “sentar” nas costas de Marquês de Pombal,o ilustre Ministro de D. José,que tendo vistas largas proporcionou um espaço grandioso – o Parque Eduardo VII – de vistas também elas grandes; e hoje em plena República,com ou sem geração à rasca,de bandeira nacional bem içada. Ao alto e no alto,claro está!

 

Resistindo, sem falhas, a todas e quaisquer oscilações político-económicas, este evento nacional nem nos períodos mais conturbados da nossa história, como foi o significativo e marcante “25 de Abril de 1974”, fechou as suas portas. Como recorda Miguel Freitas da Costa, Diretor da Feira do Livro de Lisboa, este certame “está na sua 81ª edição e nunca, mas nunca, foi interrompido”.

 

Sempre com mais adesão por parte de editores e livreiros esta Feira que nasceu com os livreiros depressa passou a dar mais espaço às editoras. Apesar de ter começado por ser “misto”- ou seja editores e livreiros misturavam-se - nos últimos anos ganhou mais diferenciação. E os editores força. De notar, por exemplo, que atualmente a Feira dos Livreiros ocorre uns dias antes da Feira do Livro. Em nota de rodapé de notar que hoje livreiros e editores, tais como a Bertrand, que foi recentemente adquirida pela Porto Editora; ou como a Babel que é livreira e editora, se confundem cada vez mais. É caso para escrever que a história se repete. E no fim, tal como um idoso, voltamos ao que éramos. Mas antes dessa curva existem as ditas colinas e uma delas deverá ocorrer em 2013, ano em que decorrerá com novos moldes a 83ª edição da Feira do Livro. O lugar escolhido deverá ser o mesmo – o Parque Eduardo VII. A lógica do espaço essa – e segundo declarações de Paulo Teixeira Pinto, presidente da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL)  –  será a de uma nova feira do livro, “com um novo ordenamento do espaço e num modelo apenas aplicável a Lisboa". A evolução do “espaço” resultará de um protocolo com a Trienal de Arquitetura. Haverá um concurso internacional para a conceitualização global mas mais detalhes não podem, por enquanto, ser revelados.  

 

publicado por livrosemanias às 11:28
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Segunda-feira, 11 de Abril de 2011

O País virtual … em que já ninguém encara o próximo “olhos nos olhos”. E no meio disto tudo: a minha Avó não tem Facebook, mas vota!

 

Parte I.

 

… (ainda no rescaldo do anúncio de Domingo)

 

Vivemos num País onde o Presidente da República,a oposição e os demais parlamentares comunicam,cada vez mais,com o povo através de uma rede social,que apesar da sua crescente (e merecida) importância,não deixa de ser virtual. Isso irrita? Muito!   

 

Mas irrita sobretudo saber que num momento delicado,como o que estamos a viver hoje,ninguém se lembre de que os sentimentos estão à flor da pele e que existe sede de confiança transmitida “olhos nos olhos”. Existe sede de humanismo! As redes sociais são indubitavelmente muito importantes. Todos nós lá estamos e os que ainda lá não “residimos” já lá desejávamos estar. Basta ler,por exemplo,o livro Socialnomics em que Erik Qualman refere que “ O tens facebook?” substitui o “Dás-me o teu número de telefone” para entendermos como os “quadros estão a mudar”. Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades…

 

Mas a vida – que é composta por realidades,expectativas e sentimentos – não é uma equação de resultados fixos. É antes variável. E uma verdade absoluta - por mais verídica que seja - pode não ter enquadramento pratico num jogo. Que Ronaldo é “bom”,dizem os entendidos,não restam dúvidas. Mas jogará bem em todas as equipas?

  

A questão vital aqui é que estamos cansados,exaustos e a precisar não de uma mensagem impessoal mas sim de uma expressão que nos console a alma. E ai – no que toca ao humanismo – as redes sociais,a Internet,as vídeo-conferências… perdem para tudo o que é real. ( Principalmente porque a crise é real e não obstante: é provocada por falta de “economia real”)

 

Ninguém se lembrou disso? Ao que parece,pela crescente adesão a esta ferramenta de comunicação por parte de figuras públicas,o foco está “na suposta ponta da lança”. É caso para escrever que todos apostam nos nichos. (Andam a ler muito Chris Anderson mas esquecem que uma grande percentagem do povo ainda não ouviu falar deste autor).

 

MAS ATENÇÃO: Os utilizadores Não leram tudo!

 

Os grandes autores que advogam que o futuro passa pelas redes sociais,tais como,Erik Qualman,que escreve  “Os novos reis são hoje as pessoas que recomendam produtos e serviços por via das ferramentas sociais”,alertam também para os PERIGOS. Dizem os entendidos que mais vale não estar do que estar mal.

 

E quem não está em bons lençóis é Fernando Nobre, que acaba de fechar, segundo o site do jornal Expresso, a sua página do Facebook dada a grande quantidade de mensagens não abonatórias à sua pessoa. Nobre esta a queimar-se na própria fogueira? Sem dúvida. E DUPLAMENTE. É esse o poder,também,desta ferramenta que dá voz a todos os internautas – esse é o lado bom desta tecnologia aplicada à democracia. Mas isso não leram os experts em comunicação que se dirigem “aos fantásticos” 2 347 140 de portugueses que têm página no Facebook ( segundo MKT Portugal).

 

E isso irrita?

 

Muito. Afinal somos 10 milhões… ou seja agora comunicamos para nichos ou para um Portugal inteiro?

 

 

A  minha avó não tem Facebook, mas vota! Mais grave: paga e sempre pagou impostos.

 

Não falarem para essa grande Senhora irrita? Sim e muito. Para além do conteúdo, que não vou para já comentar, a forma destas últimas comunicações oficiais ao País foram terríveis.

 

Num país onde é necessária frontalidade mostrem a cara! Não a escondam por detrás de Faces. As novas tecnologias existem para serem utilizadas e significam progresso. Mas saibam usá-las. Senão,ficam reféns das mesmas…

 

 

Ps: ….e ainda assim a minha avó e as suas amigas devem estar a tomar chá sem saberem de nada. Talvez à noite assistam ao jornal das 20h! E ai a noticia não vai ser um anúncio nacional,que as “facebook excluídas não leram”; o que vai ser noticia será com toda a certeza que “ Nobre fecha página”. Do quê? "Dessa coisa da net!", dirão, com quase toda a certeza as amigas da minha avó que fazem parte dos quase 80% da população nacional que não tem FaceBook.  

 

 

publicado por livrosemanias às 19:04
link do post | comentar | favorito
|


Mais sobre mim
Sobre a Mafalda

More about me
About Mafalda

Agenda
Agenda

África, Ásia e Brasil
Quer ir para Angola?

Around the World

pesquisar

 

Maio 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

Homenagem ao Professor Ve...

Sócrates perde para Astér...

'Jogadas' com Blatter e o...

Ondjaki vence Prémio Lite...

Moçambique, Astérix, cris...

Biblioteca de Papel no CC...

Gomes Ferreira continua a...

MBA júnior, inteligência ...

Sócrates, Soares e Lula ...

" O meu programa de Gover...

arquivos

Maio 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

blogs SAPO

subscrever feeds