Sexta-feira, 20 de Abril de 2012

Até quando vai ficar parado?

Até quando vai ficar parado?


"VIVER SEM CHEFE" é o 'bestseller' numa altura em que o desemprego é recorde e as alternativas ao trabalho tradicional são cada vez mais procuradas.


Já alguma vez deu por si a desesperar com o seu chefe? A não se identificar com os valores de quem coordena o seu trabalho? A pensar "o que é que eu estou aqui a fazer?" E pior, a ver atitudes desumanas por parte de quem devia dar o exemplo - mais do que não seja para motivar e para não criar sentimentos de "injustiça" e de "desconfiança"? Se sim, este livro "Viver sem Chefe - Trabalhar de forma independente" é para si. Mas não só. Este livro é também para todos aqueles que têm ideias empreendedoras mas não sabem como as desenvolver. Às vezes os projectos estão quase a acontecer mas por um pequeno "se" não seguem em frente. Porquê? Muitas vezes por falta de informação. Por outras, porque existe falta de coragem para dar o 'click' necessário à mudança. (Caro leitor, permita-me que acrescente que muitas vezes, ainda, e hoje cada vez em maior número, porque não existe capital inicial… mas essa é outra, importante, conversa, que não constitui o tema central deste livro).

 

Sobre este livro, que representa um lufada optimista no mundo do empreendedorismo e das relações profissionais, duas observações.

Primeiro: esta obra, do jovem espanhol Sérgio Fernández, representa uma agradável leitura e prova que vencer pode estar aqui mesmo ao lado. Acresce a isso o facto de ser uma obra que motiva e que ajuda a "organizar" as ideias - e a potenciar, assim, futuros negócios. Até quando vai ficar parado?

Neste manual pode exercitar algumas técnicas de coaching; e encontra ainda reflexões pessoais e muitos "dos erros a evitar" no mundo da gestão.

Em segundo lugar, e do ponto vista de marketing, este livro é muito oportuno. E não é a toa, portanto, que este está no topo dos livros mais vendidos em Portugal e em Espanha, país onde é mesmo uma das obras mais vendidas de sempre sobre o tema.

Numa Europa em crise - e, com percentagens de desemprego recordes - este livro surge, para uns, como uma alternativa; para outros, como a única saída perante a adversidade do desemprego.

 

Como escreve o autor, "É obvio que algo está a falhar quando, só em Espanha, oito em cada dez profissionais se sentem insatisfeitos no trabalho, quando 59 por cento dos sonhos empresariais de tantas pessoas falham no primeiro ano e 85 por cento não ultrapassa os cinco anos…". Mesmo assim, é preciso coragem, visão e sobretudo determinação para organizar saídas possíveis e desejáveis.

Num mundo ocidental, onde o desemprego é a palavra de ordem e onde os trabalhadores por conta de outrem estão tendencialmente insatisfeitos, é preciso mudança. Mais do que não seja para criar emprego e para assegurar que os locais de trabalho não se transformam, gradualmente, em selvas, onde os animais menos saudáveis tomam de assalto gentes sãs. Trabalhadores, que orientados para o bem e para o progresso, não entendem como é que comportamentos menos "amigáveis" (para não lhes chamar "menos sérios" ou "hipócritas") coabitam com sorrisos, beijinhos e abraços. Por tudo isso, também, há que pensar em alternativas de vida. Claro está, caso existam!

 

( Publicado na "Ideias em Estante" dia 20 de Abril de 2012)

publicado por livrosemanias às 11:50
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 17 de Abril de 2012

Psicologia Positiva. Michael Steger e Ruut Veenhoven em aula aberta na UTL

Ela está aí. Falo-lhe da psicologia positiva. Ou seja da forma de encarar a vida pelo bem - através do bom prisma. Do bom ângulo.

Não é díficil. E vai ver que no final do dia é bem melhor para si e para todos os que o rodeiam.

 

Sugestão: aula aberta com os Professores Michael Steger e Ruut Veenhoven(Psicologia Positiva). 

http://www.iscsp.utl.pt/index.php?option=com_content&view=article&id=1137:professores-michael-steger-e-ruut-veenhoven-em-aula-aberta-psicologia-positiva&catid=158:eventos&Itemid=418

 

 

Outro posts relacionado com o tema aqui

 

(http://livrosemanias.economico.sapo.pt/14276.html)

publicado por livrosemanias às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 13 de Abril de 2012

Porque chegámos a este estado? Paulo Trigo Pereira explica.


Paulo Trigo Pereira, autor de “Portugal: Dívida Pública e Défice Democrático”, explica o actual estado do País e estabelece relação entre os problemas das finanças públicas e a qualidade da democracia. 

  

 

Porque chegámos ao ponto a que chegámos de insustentabilidade das finanças públicas e de necessidade de impor sacrifícios acrescidos aos portugueses? Porque tendem as democracias a produzir défices e que reformas de natureza institucional são necessárias? “O principal objectivo deste ensaio é dar resposta a (estas) duas questões”, ambiciona, na nota introdutória, Paulo Trigo Pereira, autor de “Portugal: Dívida Pública e Défice Democrático”.

E consegue. De leitura fácil e repleto de dados económico interessantes, neste livro, cujo argumento central é de que “os problemas das finanças públicas derivam de fraca qualidade da democracia”, encontramos explicações para a actual situação económica. Leia abaixo a entrevista ao autor, que foi publicada hoje no DE.

 

De notar que por lapso de edição a entrevista foi publicada com dois erros. A saber: uma pergunta repetida e uma resposta colocada no lugar errado. Apresento, assim, em nome do DE as nossas desculpas ao autor e aos leitores.  

 

Junto publico a versão na íntegra.  

 

 

Porque tendem as democracias a produzir défices?

Há várias razões. Primeiro, porque os cidadãos não estão geralmente bem informados e tendem a premiar políticos que descem, ou não sobem, impostos e agrada-lhes quem faz "obra". Isto é, aumenta a despesa, sem verem a conexão directa com a despesa pública. Depois porque, sem limites ao endividamento (em qualidade e quantidade), as gerações presentes impõem um ónus às gerações futuras, que ainda não estão cá, ou ainda não têm idade, para votar. Finalmente, porque a democracia assenta demasiado na competição política, não havendo grandes incentivos para a cooperação que, em certas reformas estruturais, é crucial.


Até que ponto é que a democracia está relacionada com o desenvolvimento económico; e vice-versa?

Há certos tipos de democracia que são obstáculos ao desenvolvimento económico, mesmo em países desenvolvidos. Quando o Estado é caracterizado por um corporativismo social, com grupos de interesse e lóbis enraizados defendendo interesses particularistas, contra o interesse geral, aqui não existe desenvolvimento. A sociedade em vez de ter incentivos que  promovem o desenvolvimento, a criação de riqueza e a redistribuição generalista para os mais carenciados promove, pelo contrário, estratégias rentistas e redistributivas de satisfação de clientelas com poder de influência.

No caso Português: será que corremos o risco de ficarmos menos desenvolvidos com tantas medidas de austeridade? Se sim, será que nos podemos tornar, a médio e longo prazo, num País mais desigual e menos democrático?

Devemos distinguir “austeridade”(por exemplo corte de salários)  de “consolidação orçamental” (redução de défice e dívida), pelo que pode haver consolidação, que é essencial, com mais ou menos austeridade. Só por si, a consolidação não leva a maior desigualdade e menor democracia. Depende da forma como for feita.

 

Se tiver que enumerar cinco variáveis “responsáveis” pela actual situação da nossa dívida pública, essas são?

Escolho duas económicas, uma “cultural”  e duas políticas. Desorçamentação (saída de organismos dos orçamentos das administrações públicas), Parcerias público-privadas particularmente no sector rodoviário, a “cultura” do défice natural, eterno e virtuoso, o sistema eleitoral (fechado e bloqueado), e o financiamento dos Partidos Políticos, sem consignação de verbas a grupos de estudo internos.

Factor humano. Até que ponto a variável humana tem peso no estudo da nossa situação económica?

A qualificação das pessoas é essencial. As Universidades necessitam de um “choque de mobilidade” do seu corpo docente, para melhorar a sua qualificação e através dela dos seus alunos. Ao fim de cinco anos, todos os doutorados deveriam ser obrigados a concorrer a outra escola. Os Politécnicos ganhariam com maior qualificação do seu corpo docente. A formação de quadros na Administração deveria ser de qualidade, o contrário do que está a acontecer com a extinção do Instituto Nacional de Administração (INA).

Numa perspectiva económica, o Fado português tem um traçado cíclico?

Temos tido um fado cíclico, mas desta vez a crise vai ser mais duradoura pois não dispomos de instrumento cambial. Aos cidadãos pede-se capacidade de resiliência, cabendo aos políticos a mudança de paradigma na forma de fazer política e de gerir as finanças públicas. Porque se não o fizerem os cidadãos saberão, legitimamente, encontrar uma resposta convincente, não sei se a mais adequada...

Haverá mesmo uma solução para o problema da dívida pública?

Há sempre soluções para os problemas, elas podem  ser é mais ou menos dolorosas. Se caminharmos decididamente, e em ritmo adequado para o equilíbrio orçamental nos próximos anos, não descurando as medidas que promovam o crescimento económico, manter-nos-emos nos seio da União com o euro. Estou convicto que haverá, a médio prazo, uma solução mais global para o problema da dívida para os países que, no curto prazo, tenham uma atitude responsável em relação às suas finanças públicas. Esta é, apesar de tudo, a solução menos dolorosa.

 

Acredita que os sacrifícios pedidos aos portugueses valerão a pena?

Nem todos os actuais sacrifícios são necessários, pois  há escolhas  que este governo fez e com as quais discordo, por não serem universais e equitativas. Trata-se de opções governamentais e não de necessidades. Mas parte dos sacrifícios são necessários, e não só não temos uma alternativa como há já alguns resultados positivos desta perca parcial de soberania. Enterrámos alguns projectos megalómanos e estamos a aumentar a transparência da Res Pública, isto é da coisa pública que é financiada por todos nós. Estamos mais pobres, mas porventura mais solidários e decerto mais atentos ao que se passa nesta nossa casa comum chamada Portugal.

 

 

 

Nota final sobre o livro: boa leitura, relevantes dados económicos e bom preço (3,5 euros).  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por livrosemanias às 19:04
link do post | comentar | favorito
|


Mais sobre mim
Sobre a Mafalda

More about me
About Mafalda

Agenda
Agenda

África, Ásia e Brasil
Quer ir para Angola?

Around the World

pesquisar

 

Maio 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

Homenagem ao Professor Ve...

Sócrates perde para Astér...

'Jogadas' com Blatter e o...

Ondjaki vence Prémio Lite...

Moçambique, Astérix, cris...

Biblioteca de Papel no CC...

Gomes Ferreira continua a...

MBA júnior, inteligência ...

Sócrates, Soares e Lula ...

" O meu programa de Gover...

arquivos

Maio 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

blogs SAPO

subscrever feeds