Sexta-feira, 24 de Agosto de 2012

"A Morte"

Maria Filomena Mónica é a autora de " A Morte",  ensaio da Fundação Francisco Manuel dos Santos, que pode comprar, hoje, com o Diário Económico por mais 2,4 euros.

 

Leia neste espaço "Três perguntas à autora".

 

 

 

Ninguém escolhe “Nascer”. Escolher “Morrer” deverá ser uma opção? Porquê?

 

Porque faz parte dos meus direitos. Sou eu que morro, não os médicos que me tratam, nem os juristas que fazem leis nem sequer os membros da minha família. Se, devido à iminência da perda de raciocínio ou perante dores insuportáveis, tiver de escolher a minha morte, quero poder solicitar auxílio a fim de concretizar a decisão. Embora, em Portugal, isto nem sempre seja reconhecido, os que não professam uma crença religiosa, como é o meu caso, também se regem por normas éticas. Gostaria assim de citar as belas linhas do Eclesiastes, 3: «Todas as coisas têm o seu tempo e tudo o que existe debaixo dos céus tem a sua hora. Há tempo para nascer e tempo para morrer; tempo para plantar e tempo para se arrancar o que se plantou; tempo para matar e tempo para dar vida;…». Repare-se na frase: «tempo para matar»…..

                       

O que mais a assusta quando se fala em “Morte”?


A loucura senil. Foi por isso que, ainda antes de ter sido aprovada a recente lei nº 25/2012, publicada no «Diário da República» de 16 de Julho, escrevi um «testamento vital». Este documento é referido no texto legal como « Directiva Antecipada de Vontade» ou DAV – muito gostam os meus compatriotas de acrónimos – mas o título pouco me importa, desde que a possibilidade exista. No fundo, quero evitar àqueles que amo o sofrimento por que passei durante a doença de Alzheimer da minha mãe.

 

Como relaciona “Velhice” com “Dependência” e com “Opções” ?

 

Infelizmente, a velhice não é uma opção. Se pudesse escolher, teria ficado aí nos 50 anos. Não o podendo fazer, procuro observar a passagem do tempo com dignidade. A leitura do De Senectude, de Cícero, e a audição de música clássica – acima de tudo Schubert – oferecem-me algum consolo. Como tenho vindo a comprovar, a velhice é uma maçada, mas espero poder ser independente ainda  durante mais alguns anos. Depois, virá o «medonho mudo», como o meu poeta preferido, Cesário Verde, designava a morte.

 

publicado por livrosemanias às 08:00
link do post | comentar | favorito
|


Mais sobre mim
Sobre a Mafalda

More about me
About Mafalda

Agenda
Agenda

África, Ásia e Brasil
Quer ir para Angola?

Around the World

pesquisar

 

Maio 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

Homenagem ao Professor Ve...

Sócrates perde para Astér...

'Jogadas' com Blatter e o...

Ondjaki vence Prémio Lite...

Moçambique, Astérix, cris...

Biblioteca de Papel no CC...

Gomes Ferreira continua a...

MBA júnior, inteligência ...

Sócrates, Soares e Lula ...

" O meu programa de Gover...

arquivos

Maio 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

blogs SAPO

subscrever feeds