Sexta-feira, 3 de Agosto de 2012

"Portugal: os Números"

"Portugal: os Números", de Maria João Valente Rosa e Paulo Chita, é o livro, hoje, em destaque no Diário Económico.

 

De notar que poderá, hoje, adquirir esta obra com o DE, por mais 2,4 euros.

 

Fique com as "três perguntas aos autores":

 

 

 

 

 



Quais os números mais marcantes da nossa sociedade?

 

O nosso país em nada se assemelha, hoje, ao que foi nos últimos 50 anos, o período analisado no ensaio Portugal: Os Números.

 

A população envelheceu a um ritmo sem precedentes. Tornámo-nos um dos países mais envelhecidos do mundo, resultado de uma intensa diminuição da fecundidade dos casais, do aumento da esperança média de vida e de uma emigração particularmente intensa, em especial nas idades activas mais jovens, também elas mais férteis. A família, ou melhor, as famílias adquiriram novos contornos, o casamento foi perdendo o seu papel de regulador dos nascimentos e tornou-se menos duradouro.

 

Escolher os números mais marcantes não é tarefa fácil, pois qualquer deles espelha um pouco da complexa trajectória da sociedade portuguesa nas últimas décadas. Nas mais diversas áreas, Portugal não teve uma evolução linear e unidireccional. Tem sido um país a dois tempos, com áreas que são exemplos mais bem sucedidos – como a qualificação escolar (embora esta se situe ainda muito aquém do nível atingido noutros países) ou a generalização do acesso à protecção social a grupos que durante muito tempo dela estiveram excluídos –, e outras menos bem sucedidas – como a justiça (a morosidade com que os processos são decididos tornou-se crítica) ou a economia (até 1974, o PIB português cresceu a uma boa velocidade mas não havia liberdade; após 1975, em democracia, entramos numa fase de altos e baixos e o crescimento desacelerou ou estagnou, sobretudo depois da adesão ao Euro).

 

Onde entra o fator humano nas estatísticas?

 

As estatísticas são os números mais humanos que conhecemos. São a expressão dos comportamentos e das características de todos: as pessoas dão origem às estatísticas e não o contrário! As estatísticas reproduzem realidades colectivas não percepcionadas de outro modo, abrindo espaço para o conhecimento, capacidade também ela humana. As estatísticas ajudam-nos a conhecer melhor o que somos como sociedade e também a compreender os nossos comportamentos como indivíduos. E às vezes têm erros. Mas como errare humanum est, na verdade não podiam ser mais humanas...

 

Pode um país ser orientado só para os números?


Longe vai o tempo em que os teorizadores ou pensadores da realidade social se baseavam nas suas reflexões de sofá. É tão impensável uma interpretação sem confrontação com os factos (traduzidos pelos números), como é impensável defender que a informação quantitativa pode valer por si e prescindir de análise teórica.

Felizmente, os únicos casos de negação ou de desprezo face aos números provêm, hoje, de situações tão lamentáveis quanto raras: os dirigentes, pertencentes normalmente a regimes ditatoriais – mas não só –, que escondem números para iludir a opinião. Juntemos-lhe os casos dos indivíduos que desdenham a informação quantitativa com base numa ignorância básica de Estatística, ou seja, por não a saberem analisar e compreender.

publicado por livrosemanias às 08:00
link do post | comentar | favorito
|


Mais sobre mim
Sobre a Mafalda

More about me
About Mafalda

Agenda
Agenda

África, Ásia e Brasil
Quer ir para Angola?

Around the World

pesquisar

 

Maio 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

Homenagem ao Professor Ve...

Sócrates perde para Astér...

'Jogadas' com Blatter e o...

Ondjaki vence Prémio Lite...

Moçambique, Astérix, cris...

Biblioteca de Papel no CC...

Gomes Ferreira continua a...

MBA júnior, inteligência ...

Sócrates, Soares e Lula ...

" O meu programa de Gover...

arquivos

Maio 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

blogs SAPO

subscrever feeds