Quarta-feira, 20 de Março de 2013

Se torturarem os números... eles confessam

Até os números têm limites. É esse alerta que o catedrático Pedro Nogueira Ramos tenta deixar com este novo livro sobre as estatísticas e as suas leituras.

 

 

Este livro não é só sobre estatísticas, é sobretudo sobre a interpretação das estatísticas". É assim que Pedro Nogueira Ramos, economista e professor catedrático de Economia da Universidade de Coimbra, apresenta o seu livro 'Torturem os Números que Eles Confessam: Sobre o mau uso e abuso das Estatísticas em Portugal, e não só'. Com o carimbo da Almedina, histórica editora de Coimbra, esta obra agora lançada começa por apresentar a importância da estatística, área em que o autor trabalhou durante mais de uma década e que encara como "um instrumento de progresso social".

Para Nogueira Ramos, o problema que existe actualmente não reside nas estatísticas - que considera muito importantes -, mas sim na interpretação das estatísticas. Denunciado o mau uso dos números e a sua interpretação "às vezes nociva", o professor, que foi o convidado do programa 'Ideias em Estante' (que pode ser visto no ETV), defende que "os números têm várias interpretações, apesar de muitas vezes no debate público não ser essa a leitura". Sendo um académico, que já trabalhou na produção de estatísticas, Nogueira Ramos tem um currículo recheado de experiência à volta dos números e, em especial, da estatística. Trabalhou para o Instituto Nacional de Estatística (INE), foi director das Contas Nacionais e membro da Comissão para a Análise das Contas Públicas (presidida por Vítor Constâncio), função que exerceu quando foi determinado o défice público de 2001. Foi ainda consultor do Eurostat.

Uma prática alargada que, somada às suas funções académicas, o levou a escrever esta obra. "Da conjunção dessas duas experiências surgiu-me a consciência de que as estatísticas não são números incontestáveis", refere o autor em entrevista. E, por isso, acrescenta, "há vários olhares sobre a mesma realidade. Assim como há várias interpretações para os números da estatística". E esse facto tem de ser levado em conta na hora de analisar e divulgar. "A estatística não é, nem pode ser colocada, ao serviço da publicidade, seja de empresas, estados ou ideologias." Sobre esta temática, alega o autor, "há, por exemplo, um número extremamente curioso: o desemprego jovem. Este indicador - que tem variado de trimestre para trimestre - tem sido colocado entre 35 e 40%..." Ou seja, "não é um abuso afirmar que jovens são só aqueles que têm menos de 25 anos'", questiona o autor, colocando de imediato outra questão: "Com que idade se licenciam os jovens portugueses?".

Dando força ao que pretende mostrar, afirma que a taxa de desemprego na faixa dos 25-34 anos "é ligeiramente superior à média do país - rondará 18 ou 19%". Existem muitos outros casos e, no que toca à distribuição de rendimento, há muito a falar. "Aquilo que este livro procura acrescentar à discussão, que já se faz neste momento entre os economistas a nível mundial no que respeita à distribuição de rendimento, é que importa olhar para a desigual distribuição de rendimento entre as famílias. Há outro factor que tem sido esquecido: nem todo o rendimento é distribuído às famílias. E todos os estudos internacionais de distribuição de rendimento, todas as estatísticas internacionais, com coisas que os não-economistas nunca ouviram falar, mas que aos economistas é muito familiar (como o coeficiente de Gini), tudo isso respeita exclusivamente ao rendimento distribuído às famílias".

Há outro factor que, para o autor, induz muita desigualdade na distribuição de rendimento: "É o facto de muito rendimento não ser distribuído às famílias, é mantido na posse de empresas, o que significa que as empresas valem mais, que os seus proprietários são mais ricos, mas não usufruem de rendimento. Conclui o autor que "o rendimento não distribuído às famílias é um elemento fundamental para compreendermos a desigualdade na distribuição do rendimento e não é tido em conta, por regra, nas estatísticas internacionais". É apenas um exemplo de muita dessa 'maquilhagem' dos números, às vezes colocada simplesmente por ignorância, outras com objectivos concretos, e que dá força a uma das frases usadas por Nogueira Ramos, para descrever esta obra: "Este não é um livro contra os números, mas sobre os limites dos números."

 

 

Este artigo foi publicado na coluna "Ideias em Estante" dia 15/03/2013 no Diário Económico.

 

Este post está também publicado no meu blog pessoal: www.livrosavoltadomundo.blogs.sapo.pt

 

publicado por livrosemanias às 14:50
link do post | comentar | favorito
|


Mais sobre mim
Sobre a Mafalda

More about me
About Mafalda

Agenda
Agenda

África, Ásia e Brasil
Quer ir para Angola?

Around the World

pesquisar

 

Maio 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

Homenagem ao Professor Ve...

Sócrates perde para Astér...

'Jogadas' com Blatter e o...

Ondjaki vence Prémio Lite...

Moçambique, Astérix, cris...

Biblioteca de Papel no CC...

Gomes Ferreira continua a...

MBA júnior, inteligência ...

Sócrates, Soares e Lula ...

" O meu programa de Gover...

arquivos

Maio 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

blogs SAPO

subscrever feeds