Sexta-feira, 12 de Abril de 2013

"O turismo (que é o maior sector exportador nacional de bens e serviços) é subestimado"

 "O turismo (que é o maior sector exportador nacional de bens e serviços) é subestimado"

 

 

 

 

Sendo o maior sector exportador nacional de bens e serviços, o turismo é subestimado pela política. O alerta é de Vítor Neto, autor de "Portugal Turismo - Relatório Urgente".

 

 

Sabia que o turismo é o principal sector exportador de bens e serviços de Portugal? Que representa cerca de 14% das exportações - ou, dito de outra forma, soma receitas externas de 8,6 mil milhões de euros, segundo dados do Banco de Portugal relativos a 2012? Saberá ainda que este sector representa 10% do Produto Interno Bruto (PIB) e 8% do emprego no país? São muitos dados, muitos factos. Mas apenas uma realidade: "Existe uma subestimação económica do turismo em Portugal". Quem o afirma é Vítor Neto, autor de "Portugal Turismo - Relatório Urgente", livro onde o sector é retratado em números. Na entrevista ao programa "Ideias em Estante", no Etv, o autor aponta as falhas e os caminhos com potencial, para que esta actividade se liberte da estagnação que viveu na década de 2000-2010 .

Estando há muito ligado ao sector - chegou a secretário de Estado do Turismo entre 1997 e 2002 -, Vítor Neto sente que tem legitimidade para afirmar que "existe subestimação, a nível institucional, sobre a importância económica do turismo". Afinal, esteve cinco anos no Governo, "passou" por quatro ministros da Economia e mais cinco das Finanças. Uma série de números que o leva a garantir que conhece "as sensibilidades do tema". O ex-secretário de Estado, que é também empresário e gestor, vai mais longe e afirma que "essa é uma batalha ideológica". Este livro propõe-se, assim, a contribuir para essa batalha".

Sobre as expectativas dos empresários, o autor - que é também presidente do NERA ( Associação Empresarial do Algarve) e de outras instituições ligadas ao sector (ver perfil ao lado), adianta que os empresários "estão conscientes das potencialidades do sector. Há preocupação, mas não há descrença". Alerta, contudo, que apesar de o turismo estar vivo, há necessidade de se "combater as ilusões criadas".

E o que falhou? Coisas cruciais. Vítor Neto enumera algumas. "Em Portugal houve uma estratégia de turismo errada." Não existiu um entendimento da natureza e das consequências estruturais que estavam a acontecer no sector. Não se incorporaram as mudanças estruturais e houve um esquecimento das potencialidades reais do país. "Deu-se prioridade, por exemplo, aos grandes empreendimentos imobiliários", afirma Vítor Neto, considerando que isso levou à ilusão de que esses investimentos iriam puxar pelo turismo.

A nível mundial, escreve o autor, "assistiu-se a um crescimento de 266 milhões de turistas, isto é, de 40%. No seguimento de um crescimento de 239 milhões na década anterior. Em 20 anos, um crescimento de 116%. A nível da Europa, o maior destino turístico do mundo, o crescimento entre 2000 e 2010 foi de 90 milhões de turistas, ou seja, 23%. A Europa cresceu 213 milhões de turistas estrangeiros entre 1990 e 2010, mais de 80%. É significativo que a Turquia, entre 2000 e 2010, tenha crescido 181% e a Croácia 77%. A Espanha atingiu 56,7 milhões de turistas em 2011, um crescimento de 22% em relação a 2000. E a Grécia, com 15 milhões de turistas, teve um crescimento de 15% entre 2000 e 2010."

E Portugal? "Entre 2000 e 2010, as entradas de turistas estrangeiros em Portugal terão caído de 12 para 11 milhões. Portugal terá perdido nesse período um milhão de turistas estrangeiros, isto é, cerca de 8%." Em termos comparativos, "a própria França e Itália, 1º e 5º destinos mundiais, que representam cerca de 25% do turismo da Europa, cresceram sete milhões de turistas no mesmo período". Como refere Vítor Neto, "não basta "corrigir" os objectivos, propor metas menos ambiciosas, procurar novos mercados e proclamar que a prioridade é 'vender! Vender!'… Impõe-se uma estratégia coerente assente numa visão realista."

 

Vítor Neto

Natural do Algarve, foi Secretário de Estado do Turismo de 1997 a 2002. Empresário e gestor, preside à comissão organizadora da BTL, é presidente do NERA, vice-presidente da AIP e membro da direcção da CIP-CEP. É ainda cônsul honorário de Itália no Algarve.

 

(In Ideias em Estante, 12/04/2013, Diário Económico)

publicado por livrosemanias às 17:31
link do post | comentar | favorito
|


Mais sobre mim
Sobre a Mafalda

More about me
About Mafalda

Agenda
Agenda

África, Ásia e Brasil
Quer ir para Angola?

Around the World

pesquisar

 

Maio 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

Homenagem ao Professor Ve...

Sócrates perde para Astér...

'Jogadas' com Blatter e o...

Ondjaki vence Prémio Lite...

Moçambique, Astérix, cris...

Biblioteca de Papel no CC...

Gomes Ferreira continua a...

MBA júnior, inteligência ...

Sócrates, Soares e Lula ...

" O meu programa de Gover...

arquivos

Maio 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

blogs SAPO

subscrever feeds