Domingo, 7 de Julho de 2013

E agora?

Entrevista Pedro Adão e Silva autor do livro "E agora?".

 

Obra aborda a crise do euro, as falsas reformas e o futuro de Portugal.

 

"Ideias em Estante" de 2 de Julho de 2013

 

 

 
 

 

IDEIAS EM ESTANTE por Mafalda de Avelar 

 

Data: 28/06/2013
Publicação: DIÁRIO ECONÓMICO

"O futuro de Portugal passa por uma mudança da política interna"

 

O SOCIÓLOGO LANÇA QUESTÕES SOBRE O FUTURO DO PAÍS E DA EUROPA. E ADIANTA ALGUMAS RESPOSTAS, QUE PASSAM POR NOVAS POLÍTICAS, MAIOR PODER DE NEGOCIAÇÃO E ESTABILIDADE.

 

Acrise do euro, as falsas reformas e o futuro de Portugal são os temas que compõem o subtítulo da recém-lançada obra do sociólogo Pedro Adão e Silva, apresentada pelo presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, e pelo jornalista Nicolau Santos, na passada quarta-feira, em Lisboa. "E agora?" é a questão que impera no actual momento e que dá o título ao livro, que pode ser, no limite, também entendido como uma mensagem política. Não só para o Governo, mas também para a oposição.

Em entrevista - que pode ser vista no programa 'Ideias em Estante', no Etv -, Pedro Adão e Silva afirma que "os políticos têm a ilusão de que é muito importante deixar marcas" e, por isso, querem fazer as suas próprias reformas estruturais, "querem mudar tudo em seis meses ". O comentador e analista político afirma ainda que "o euro é um projecto com uma arquitectura coxa. Falta-lhe uma parte" e refere que Portugal para ter futuro tem de restruturar a dívida e criar uma coligação política para alterar as condições da participação de Portugal no euro e na Europa. Opiniões que pode começar a ler na entrevista que se segue.

E agora?

A situação em que estamos não é nada fácil e eu diria que a resposta imediata a essa pergunta é que temos de aprender com o passado. Este livro é, por um lado, um olhar retrospectivo sobre os últimos anos, com três dimensões. Uma que está relacionada com a crise da Europa e as respostas à crise na Europa; outra sobre o impacto da crise nas instituições do regime - nos partidos, nos sindicatos, na Justiça -, e uma terceira parte sobre as políticas públicas em Portugal.

E o que temos de fazer...

A primeira coisa que temos de fazer é exactamente olhar para aquilo que aconteceu. E olhar tentando perceber as razões do nosso falhanço. Porque, de facto, estamos sobre auxílio financeiro e, de certa forma, sobre tutela política de uma 'troika'. O que nos é dito, muitas vezes, é que o nosso falhanço resulta de Governos irresponsáveis ou de uma zona euro que tem uma arquitectura que dá incentivos errados e perversos e que não nos permite crescer. Isso é parcialmente verdade. Mas eu diria que há outra coisa que temos de aprender e que está relacionada com o padrão das nossas políticas públicas que nos caracterizou nos últimos anos e que, de algum modo, explica o nosso fracasso.

E qual é?

Distingo três características das políticas públicas, que são negativas e que estão presentes em Portugal e que são um factor que explica a nossa situação. Excesso de volatilidade, excesso de mudança e instabilidade. As políticas públicas em Portugal mudam muito e mudam demasiado. E mudam de cada vez que muda o Governo e mudam mesmo dentro do mesmo Governo, desde que mude o ministro ou o secretário de Estado. E isso não é bom. As boas políticas públicas precisam de tempo e de estabilização.

O segundo?

O segundo está relacionado com a institucionalização. Precisamos de institucionalizar os processos de escolha e de definição das políticas. Há um excesso de volatilidade em Portugal que faz com que nunca saibamos muito bem o que é que cada autor relevante pensa sobre o cada assuntos. Há aqui uma enorme confusão de indefinição de papéis e processos. E finalmente necessitamos de ter uma cultura de negociação. Que é muito diferente da negociação a que estamos habituados em Portugal. E isso é independente das escolhas políticas serem de esquerda ou de direita.

Sobre o futuro de Portugal?

O futuro de Portugal passa por uma mudança da política interna que nos permita fazer duas coisas, sem as quais não vamos conseguir crescer economicamente e não teremos condições para continuar no euro. Estamos a ser empurrados para fora do euro e temos de fazer, com alguma urgência, duas coisas.

Quais são?

Uma é reestruturar a dívida, outra é pressionar e criar uma coligação política para alterar as condições da nossa participação no euro e na Europa. Esses dois objectivos encontram, curiosamente, um consenso político muito alargado na sociedade. Só que esse consenso não encontra correspondência no espaço governamental e no espaço que tem hoje responsabilidades políticas. Precisamos desse consenso para renegociar a restruturação da dívida.

 

Livros&Ecolemomanias Tendência irresistível para vaguear

Esta semana o grande destaque editorial recai sobre os programas de intercâmbio cultural e literário entre países. Começa hoje e decorre até ao próximo domingo o festival "Afinidades Electivas", que tem como objectivo reunir culturas (e literaturas) de três países: Portugal, Alemanha e Áustria. Marcam presença neste festival nomes sonantes da literatura destes três países. (Mais informações e entrevista ao director do Goethe Institut no blog deste espaço). E se as escritas alemãs estão por cá, as americanas também. Dia 2 de Julho Gonçalo M. Tavares e Philip Graham farão a apresentação das suas obras e dos seus títulos mais emblemáticos na terceira edição do Programa Literário Internacional - DISQUIET, na FLAD.

Como nota de rodapé: fique a par das novidades e dos lançamentos editorais da semana na Agenda deste blog, que é actualizada diariamente.

 

E Agora?

A crise do euro, as falsas reformas e o futuro de Portugal Autor: Pedro Adão e Silva Clube do Autor 212 pág. | 13,50 euros

Prefácio de Jorge Sampaio

"Adão e Silva é um sociólogo de mérito que, implacável e serenamente, examina as razões da crise, percorre o denso e acidentado percurso da nossa sociedade, das nossas insuficiências, da história europeia e dos dilemas decorrentes da construção europeia, para terminar com uma larga visão de um futuro de esperança e exigência, quer num combate a um certo facilitismo reinante, quer na crítica certeira a uma agenda ideológica militante que enquadra os programas de assistência financeira e o actual quadro europeu".

 

publicado por livrosemanias às 02:13
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Frederico Silva Leal a 9 de Julho de 2013 às 17:10
Agradeciamos que lê-se e comentasse, pois prócuramos verdadeiramenten criticas construtivas de quem domina a temática
http://economiaeactualidade.blogs.sapo.pt/
Os melhores cumprimentos.


Comentar post



Mais sobre mim
Sobre a Mafalda

More about me
About Mafalda

Agenda
Agenda

África, Ásia e Brasil
Quer ir para Angola?

Around the World

pesquisar

 

Maio 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

Homenagem ao Professor Ve...

Sócrates perde para Astér...

'Jogadas' com Blatter e o...

Ondjaki vence Prémio Lite...

Moçambique, Astérix, cris...

Biblioteca de Papel no CC...

Gomes Ferreira continua a...

MBA júnior, inteligência ...

Sócrates, Soares e Lula ...

" O meu programa de Gover...

arquivos

Maio 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

blogs SAPO

subscrever feeds