Terça-feira, 1 de Outubro de 2013

O empreendedor "com onda" que factura com vento

 

Nova Geração Outlook

 

Elisiário Carvalho

O empreendedor "com onda" que factura com vento


 

Apanha ondas. É empreendedor e não pára. Elisiário Carvalho, 42 anos, tem uma escola de Windsurf, na praia de São João, na Costa da Caparica, e vive das aulas que tem e de algumas "viagens" que organiza para os apaixonados por esta modalidade, "que se pode praticar quase todo o ano em Portugal". A história deste velejador tem alma. O contacto com este desporto começou cedo. Apaixonou-se pela vela, ainda em miúdo, mas "a minha família não tinha posses e por isso não comprei logo o equipamento". "Comecei a velejar com 9 anos, na classe optimist", recorda este desportista. Não tinha dinheiro para o equipamento. Não investiu. Não praticou. Mas anos mais tarde reencontrou a sua paixão. "Fui trabalhar com 16 anos. Não tive bons resultados na escola. Aos 18 anos abandonei os estudos e fui trabalhar como servente (nas obras)."

Aos 20 foi para a tropa. Foi paraquedista. Na tropa entrou em ciências do desporto "com boas notas e na primeira opção". E no meio de tudo isto recorda que aos 14 anos "vi uma pessoa com prancha e vela (fiquei a saber mais tarde que era o velejador o João Rodrigues)" e nunca mais o esqueceu. Afinal, concluiu, havia esperança de vir a praticar "vela". Dito e feito. "O primeiro ordenado que tive foi para ir fazer windsurf. Mas não me puseram na água.", lamenta-se. Já na tropa, aos 20 anos comprou o primeiro equipamento, investiu e decidiu dedicar-se à modalidade. Passou por várias actividades ligadas ao mar. Foi, por exemplo, nadador salvador na praia do barril. Entre estudo e trabalho, formou-se em Ciências do Desporto na Faculdade de Motricidade Humana, lutou, e fez acontecer.

Hoje tem uma empresa e já ensinou mais de 7 mil pessoas a velejar. Um feito só possível quando se junta prazer e garra. Sempre praticante, este professor "que adora" o que faz, abriu a sua própria escola no dia do trabalhador: 1 de Maio de 2006. "Comecei aos bocadinhos a montar a escola. Nunca pedi nenhum empréstimo", afirma deixando escapar que a legislação não estava adaptada para estas empresas. "Hoje está melhor. Não tem nada haver." Porém a burocracia ainda existe. Este empreendedor do mar que "vive do vento e do mar a 100%", adora o que faz. E garante que são cada vez mais os estrangeiros, que começam a vir para Portugal só para "pegar ondas". Um nicho de mercado sazonal, mas bem aproveitado que no Verão tem a escola cheia; e no inverno "diminui" o risco organizando viagens para outras paragens onde é possível praticar windsurf.

 

Publicado no DE (27/09/2013)

publicado por livrosemanias às 11:35
link do post | comentar | favorito
|


Mais sobre mim
Sobre a Mafalda

More about me
About Mafalda

Agenda
Agenda

África, Ásia e Brasil
Quer ir para Angola?

Around the World

pesquisar

 

Maio 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

Homenagem ao Professor Ve...

Sócrates perde para Astér...

'Jogadas' com Blatter e o...

Ondjaki vence Prémio Lite...

Moçambique, Astérix, cris...

Biblioteca de Papel no CC...

Gomes Ferreira continua a...

MBA júnior, inteligência ...

Sócrates, Soares e Lula ...

" O meu programa de Gover...

arquivos

Maio 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

blogs SAPO

subscrever feeds