Sexta-feira, 9 de Setembro de 2011

Livros e filmes sobre o "11 de Setembro": do "Compreender" de Vasco Rato à curta de Yuri Alves

No mundo do cinema

 

FILMES COM HISTÓRIA. REAL.

 

Será que a ficção, por melhor que seja, supera a realidade? Dificilmente. Afinal a máxima de vida dos realizadores do emergente cinema documental recai exactamente na tentativa de retratar fielmente factos que superam toda e qualquer ficção.

E existirá, nos últimos anos, melhor "evento" do que os trágicos acontecimentos do 11 de Setembro (que foram filmados em tempo real por milhares de câmaras, em todos os ângulos possíveis e com tanto detalhe, que - e como diria seguramente Samuel Huntington - até a morte "dos outros" foi filmada... )?

 

11 de Setembro significa não só uma data. É um 'momentum' com muitas histórias de vida destruídas, com muito sofrimento, mágoa, perda, incompreensão e sentimento de que ninguém é intocável. Um autêntico 'cocktail' explosivo de emoções que levou à escrita de infinitos caracteres sobre o assunto. E se no mundo dos livros a tragédia rendeu milhares de títulos e milhões de exemplares vendidos, no mundo da sétima arte, rendeu bons filmes mas sobretudo bons documentários. O campeão é Michael Moore, com o seu polémico "Fahrenheit 9/11", documentário que além de encher (literalmente) salas e salas de cinema em cidades como Washigton DC, foi ainda distinguido com a Palma de Ouro no festival de Cannes em 2004. Surpreendente? Nem por isso. Apesar do ângulo "anti- Bush" e da tentativa de estabelecer possíveis vínculos entre as famílias do presidente George W. Bush e a de Osama Bin-Laden, este documentário tornou-se um fenómeno. Porquê? O tema era quente (apresenta o que esteve por detrás do 11 de Setembro) e surgiu num ano eleitoral em que a fadiga da guerra no Iraque assumiu proporções generalizadas e internacionais.

Mas há mais - e não tão polémico - no mundo do "ecran". Os destaques vão para as colectâneas do National Geographic e do History Channel, respectivamente, "Inside 9/11" (Edição Comemorativa) e "9/11 Commemorative".

Se gosta mesmo de bons filmes reais e se é um interessado pelo tema: não deixe de ver ainda "America 911 - We Will Never Forget (2001)", "In Memoriam - New York City, 9/11/01 e "102 Minutes That Changed America (2008)". Todos este títulos são filmes que merecem a pena serem vistos e revistos. Afinal, uma imagem vale mais do que mil palavras. Que o diga Yuri Alves, luso descendente e, ao que consta, o primeiro a editar as imagens do "11 de Setembro", num documentário intitulado "The day the World Change". Este documentário, que foi visionado na Casa Branca, estava pronto sete dias depois dos atentados, tornando-se assim o primeiro "doc" sobre o 11 de Setembro.

A assinatura é luso-descendente.

 

 

Veja aqui o primeiro documentário sobre o 11 de Setembro. Um filme de Yuri Alves.

 

 

No mundo dos livros

 

"Compreender o 11 de Setembro", de Vasco Rato, é a obra em destaque esta semana na "Ideias em Estante".

De notar que no final deste e-mail poderá ler as respostas do autor sobre as principais conclusões deste livro.

 

Os outros destaques da semana são: " Extremamente alto, incrivelmente perto" e " Aftershock"

  

 

"Compreender o 11 de Setembro"

 

 

"No dia 1 de Maio de 2011, Barack Obama comunicou ao mundo a morte de Osama bin Laden. Enclausurado numa casa - 'bunker' situada na cidade paquistanesa de Abbottabad, o líder da al-Qaeda foi abatido a tiro durante um raide nocturno montado pelos SEAL, as tropas especiais navais americanas. Obama também revelou que os comandos resgataram o cadáver de Bin-Landen, transportando-o para o porta-aviões USS Carl Vinson, e, depois de observados os ritos fúnebres islâmicos, lançaram-no ao Mar da Arábia. Chegava assim ao fim a caça ao homem de quase uma década e que levou os Estados Unidos a prosseguirem uma "guerra global contra o terrorismo deveras dispendiosa em sangue e tesouro". É desta forma, sucinta e conclusiva que Vasco Rato, autor do livro "Compreender o 11 de Setembro", inicia esta sua explicação sobre o significado do 11 de Setembro.

Para Vasco Rato, Doutorado em Ciência Política e Relações Internacionais pela Universidade de Georgetown (Washington DC), para tentarmos compreender o 11 de Setembro temos que ter ( lê-se nas entrelinhas) vistas largas e um certo entendimento de geoestratégia. Explica o autor que temos que entender as raízes da al-Qaeda e do seu líder, Osama Bin-Laden. "É imperativo reconhecer que Bin-Laden não era um mero terrorista 'niilista', um 'cão raivoso' destituído de objectivos políticos", escreve Rato, nos posfácio.

Mas será mesmo que foi no dia 11 de Setembro que tudo mudou? "A verdadeira alteração de paradigma ocorre em 1979, quando a União Soviética invade o Afeganistão, o Xá do Irão é deposto para dar lugar à teocracia dos 'ayatollahs' e ocorre a ocupação armada da Grande Mesquita de Meca por um grupo de fundamentalistas suadistas. "Na verdade", lê -se na obra, "estes acontecimentos revelar-se-iam determinantes para Osama Bin-Laden que, de um filho do privilégio, se transformaria num guerreiro santo".

As consequências? Essas, infelizmente, são bem conhecidas: os sangrentos ataques aos Estados Unidos e a insegurança ímpar e global (tantos anos dada como "quasi -certa") no mundo ocidental.

De notar que esta obra, além de constituir uma excelente forma de entender a dinâmica geoestratégica que esteve por detrás dos atentados, brilha também por tocar em pontos sensíveis das teorias das Relações Internacionais, que são essenciais para identificarmos onde estamos e para onde vamos.

Neste puzzle de vida é importante levantar questões tais como democracia versus novos mercados? Se sim, a que custo? Dilemas que também não foram esquecidos por este autor que toca em questões pertinentes e expõe de forma clara os complicados dilemas dos nossos dias.

"Se a guerra contra o terrorismo trouxe ganhos geoestratégicos, os acontecimentos verificados no Paquistão - e noutros países como, por exemplo na Arábia Saudita e no Egipto - colocaram a Casa Branca perante um dilema: como apoiar uma agenda de democratização em países com regimes autocráticos que eram estrategicamente vitais para os Estados Unidos?". Tema quente. A seguir.

 

 

Em destaque também

 

EXTREMAMENTE ALTO, INCRIVELMENTE PERTO

A trama termina onde começou: junto à sepultura do pai. Esta história que comoveu o mundo é contada pelo olhar de uma criança de nove anos que é "inventor, francófilo, tocador de trampolim, actor shakespeariano, joalheiro, pacifista". Oskar Schell é a personagem criada por Jonathan Safran Foer, jovem autor muito premiado nos últimos anos, que surpreendeu o mundo com "Está Tudo Iluminado", livro que lhe valeu a nomeação de melhor livro do ano pelo Los Angeles Times. Nesta obra Safran Foer coloca um miúdo a correr cinco cantos de Nova Iorque em busca de uma fechadura onde poderá colocar a misteriosa chave do seu pai, morto nos atentados de 11 de Setembro contra o World Trade Center. A história é bonita mas pesada. Oskar, o protagonista do conto, tem o poder de levar quem conhece a capital financeira dos Estados Unidos a relembrar, ao detalhe, zonas da cidade como o Central Park, Coney Island ou o Bronx. "Comer animais", lançado em 2010, é outra das obras deste autor que está a dar que falar.

 

 

EXTREMAMENTE ALTO, INCRIVELMENTE PERTO, de JONATHAN SAFRAN FOER, LIVROS QUETZAL, 458 PÁGINAS, 22.72 EUROS

 

 

 

AFTERSHOCK

O futuro que se segue é o ponto de interrogação que paira sobre os norte-americanos, em especial, e sobre o mundo, de uma forma global. Esta obra de Robert Reich, professor de políticas públicas na Richard and Rhoda Goldman School of Public Policy da Universidade da Califórnia não é apenas sobre o 11 de Setembro. Neste livro Reich, que integrou três administrações norte-americanas, da última vez como secretário do trabalho de Bill Clinton, escreve sobre um outro atentado terrorista: o ataque à classe média. Para este estudioso, que é considerado um dos mais influentes 'opinionmakers' pelo "Wall Street Journal", quando a economia americana se afundou em 2008, a "culpa" não foi de Wall Street. O problema é "estrutural", defende. Segundo Reich, esta crise económica global "reside na concentração crescente dos rendimentos e da riqueza no topo, e numa classe média que teve que se endividar profundamente para conservar um padrão de vida decente." Escrevem os antigos que depois da tempestade vem a bonança. Por isso, mais do que nunca, é necessário olhar para a frente e procurar, já hoje, uma saída. Para os mais desanimados, uma certeza: tristezas não pagam dívidas. Por isso, mãos à obra para este "aftershock". Boa leitura.

 

AFTERSHOCK - a Economia que se segue e o futuro da América, ROBERT B.REICH I DOM QUIXOTE, 200 PÁGINAS, 15.95 EUROS

 

 

OUTROS LIVROS - sugestões da "The Economist"

 

"The Rise and Fall of Al-Qaeda, de Fawaz Gerger

 

"Rock the Casbah: Rage and Rebellion Across the Islamic World", de Robin Wright

 

"Cables from Kabul: The Inside Story of the West´s Afeghanistan Campaign", de Sherard Cowper-Coles

 

"The 9/11 Wars", de Jason Burke 

 

 

 

 

 

  

Perguntas a Vasco Rato, autor de " Compreender o 11 de Setembro"

 

Por que escreveu este livro?

Duas razões essenciais. Porque se trata de um interesse profissional, de assuntos que, no âmbito da minha actividade universitária, sigo há mais de vinte anos. Mas também porque tenho um filho de 17 anos que se recordava dos ataques mas não sabia o que estava por detrás do 11 de Setembro. Pretendi escrever um livro curto e acessível, que fosse informativo para pessoas como o meu filho.

2—O que é essencial compreender?

Devemos entender a leitura que os jihadistas fazem do mundo.

É essencial compreender que Osama era um agente político, um revolucionário com uma ideologia, um programa e uma visão do mundo. Agiu em nome disso tudo. Não devemos deturpar a realidade dos factos ao dizer que Osama era uma vítima ou um assassino niilista. Quem o define nestes termos não entende o que é a al-Qaeda, e a racionalidade da sua violência. Esse é um dos pontos que saliento no livro, o facto de que os jihadistas considerarem a violência armada como uma forma de resistência à agressão externa. Osama Bin Laden pensava que a política externa das grandes potências, não apenas a dos EUA, exigia uma jihad defensiva por parte dos muçulmanos que eram as vítimas do domínio externo. Quando lemos os seus discursos e os documentos da al-Qaeda notamos que são feitas insistentes condenações da China, Rússia e Índia pela opressão destes contra, respectivamente, as populações de Xinjiang, Chechénia e Caxemira. E Israel, claro. Mas, igualmente, condenava os regimes árabes aliados do ocidente, que caracterizava como regimes apóstatas, que haviam corrompido o “verdadeiro” islão.

2- O mundo mudou mesmo?

Não tanto como se pensa, mas mudou. Uma mudança positiva é o reconhecimento, no Ocidente, de que os problemas do Médio Oriente não podem ser ignorados, que é necessário contribuir para o desenvolvimento e o bem-estar de uma região que há muito estagnou. Podem não saber como agir perante os desafios do futuro próximo, mas os governos ocidentais já entenderam que o status quo regional do pós-1945 se tornou insustentável, como ficou demonstrado pela Primavera Árabe. Do lado negativo, o Ocidente não se tem mostrado particularmente hábil ao responder às mudanças endógenas ao mundo islâmico, e ainda há um receio quase paranóico em relação aos movimentos islamistas, confundindo islamistas com terroristas. Na verdade, partidos islamistas até podem ser dinamizadores de processos de democratização, como é o caso actualmente na Turquia. No Médio Oriente, a grande novidade reside na exigência de mais participação popular na política, o que resulta do reconhecimento que as tiranias árabes faliram. Os acontecimentos deste ano provocaram um terramoto na região semelhante aquele que aconteceu em 1967, com a guerra dos Seis Dias. Depois dessa guerra, como agora, nada seria como antes. 

 

 Os Estados Unidos ( The "US") também mudaram. Gerou-se a sensação de que o país, historicamente protegido de ataque por dois oceanos, passou a ser vulnerável. Uma ruptura psicológica profunda, inédita. Bush e Obama formularam, em termos de doutrina de política externa, duas abordagens opostas para atenuar essa vulnerabilidade. Nenhuma das duas se revelou adequada. Nesse sentido, Washington ainda não deu resposta ajustada às consequências estratégicas do 11 de Setembro.

 

 

 

 

 

publicado por livrosemanias às 16:52
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Ca a 9 de Setembro de 2011 às 20:50
No islam, até allah foi assassinado por maomé.


Comentar post



Mais sobre mim
Sobre a Mafalda

More about me
About Mafalda

Agenda
Agenda

África, Ásia e Brasil
Quer ir para Angola?

Around the World

pesquisar

 

Maio 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

Homenagem ao Professor Ve...

Sócrates perde para Astér...

'Jogadas' com Blatter e o...

Ondjaki vence Prémio Lite...

Moçambique, Astérix, cris...

Biblioteca de Papel no CC...

Gomes Ferreira continua a...

MBA júnior, inteligência ...

Sócrates, Soares e Lula ...

" O meu programa de Gover...

arquivos

Maio 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

blogs SAPO

subscrever feeds